Igreja: Una, santa e Católica



A tempo nos questionamos se a nossa igreja realmente é a correta, ou o porque de existirem inúmeras igrejas e seitas espalhadas por todo mundo. Essa dúvida parte do desejo do ser humano de buscar a Deus. Ele encontra na religião uma maneira de se relacionar com o divino. O sentido último de sua história e também do mundo. Mas neste caso qual seria a religião ou Igreja verdadeira?

Advento: Alegre Esperança

Neste final de semana a Igreja no mundo todo entra no tempo do advento. Tempo de penitencia, vigilância e espera pela vindo do salvador.
No advento somos convidados a pensar na morte para celebrar a vida. A nossa morte, o momento do nosso entro com Deus, para assim celebrar com dignidade a vida que brota do Mistério de Encarnação de Jesus. Podemos perceber isso, olhando as leituras que esse tempo nos apresenta. Já no primeiro domingo Jesus nos alerta no evangelho: “Por isso, também vós ficai preparados! Porque na hora em que menos pensais, o Filho do Homem virá”. (MT 24, 44). Ou como nos adverte João Batista no segundo domingo: “O machado já está na raiz das árvores, e toda árvore que não der bom fruto será cortada e jogada no fogo” (Mt 3, 10).
A nós, parece um tanto estranho falar em morte. Mas esse é o grande sentido litúrgico que o advento nos apresenta. Pensar na nossa morte. Só assim poderemos nos tornar pessoas melhores. Pessoas que estejam em maior conformidade com aquilo que Jesus nos pede. A frese forte de João batista ao dizer que o machado já esta posto na raiz das árvores, quer esclarecer que não sabemos quando deixaremos este mundo. Pode ser a qualquer momento, a qualquer instante. Por isso, devemos proceder corretamente, agir como bons cristãos. “Despojemo-nos das obras das trevas e vistamo-nos das armas da luz. Comportemo-nos honestamente, como em pleno dia” (Rm 13, 12-13). Assim, todo ramo que não for bom será cortado e lançado fora.
O advento também é um tempo de vigilância. Estamos vigilantes aguardando a vinda do Senhor. A cada vela acessa na coroa, nossos corações também vão se preparando, como as virgens prudentes, com suas velas acessas, aguardando a chegada do Esposo (Cf Mt 25, 1-13). Ele veio a mais de 2000 anos, mas virá novamente. Por isso, “Vigiai, pois, porque não sabeis nem o dia e nem a hora” (Mt 25, 13).
A cor rocha no primeiro, segundo e quarto domingo, nos fazem pensar mais naquilo que fizemos e que precisamos pedir perdão. Assim, tem mais sentido procurarmos a confissão, fazer penitencia, ir à missa. Esse perdão se mistura com um ar de alegria pela vinda do Senhor, expressada pela cor rosa usada no terceiro domingo. Deste modo queremos fazer de nossa liturgia, nesse tempo de advento uma grande oração ao Senhor, clamando juntos com uma só voz: Maranathá – Vem Senhor Jesus!